domingo, 27 de março de 2016

Cães de trabalho e linhagens (exposição x trabalho)

Eu falhei (não escrevi no blog semana passada!), mas voltei. Já aviso que vou escrever de um jeito informal, pra tentar me fazer entender da melhor forma possível.

Pra variar, na correria, decidi o tema de última hora. Mais uma vez me deparo com anúncio de venda de filhote (no caso era de Dobermann) com a descrição contendo "linhagem de trabalho", sendo que tudo indica que a linhagem nesse caso era 100% show / exposição. Eu cheguei a perguntar, na publicação, se era mesmo linha de trabalho e quem eram os avós (pra quem conhece bem pedigrees e nomes de canis, geralmente fica fácil saber qual a linhagem pelos nomes de registro), mas a pessoa simplesmente deletou meu comentário, sem responder. Então só me resta concluir que não se tratava de engano ou confusão, mas de propaganda enganosa, não é mesmo?

É relativamente comum as pessoas se enganarem ou se confundirem com os nomes dados às linhagens, quando se baseiam somente em verificar títulos. Há quem acredite que ter título de trabalho é sinônimo de ser de linhagem de trabalho, e que ter título de beleza / exposição é sinônimo de ser de linhagem de exposição. ERRADO!!! 

Quando falamos de determinada linhagem ou linha de sangue, nos referimos à genética / pedigree / árvore genealógica daquele exemplar, mais especificamente sobre o foco de seleção ao qual a genética daquele indivíduo foi submetida, e não quanto às suas habilidades.

Qualquer pessoa que tem um cão que treina ou compete em provas de trabalho, pode dizer que tem um cão de trabalho, mas linha de sangue / linhagem de trabalho são outros 500 (depende da árvore genealógica / genética daquele indivíduo).

Devido à seleção na criação, as raças acabam tendo uma separação de "tipos", e em diversas raças de cães existem distintas linhagens de show / exposição e linhagens de trabalho. O que significa isso?
Uma vertente se preocupa prioritariamente com a aparência / estrutura (por exemplo: cor da pelagem, angulações, profundidade do peito, etc.), com o objetivo principal de vencer exposições de beleza e conformação, e a outra vertente se preocupa prioritariamente com o caráter / temperamento, no sentido de possuir habilidades para realizar a função à qual aquela raça foi criada (ou competir em provas de trabalho).

Infelizmente não é possível ter tudo junto, quando se quer ter tudo (podemos comparar com gado de dupla função), podemos até conseguir ter o cão que é bom em ambos quesitos, mas jamais será excelente nos dois, e muitas vezes a estrutura que se busca pra vencer exposições pode até mesmo atrapalhar ou ser prejudicial ao trabalho / função (por exemplo: cães extremamente angulados, que "voam na pista" ao trotar se apresentando em exposição, geralmente são desengonçados para correr em galope e podem ter dificuldade para saltar, isso pode ser notado facilmente na raça Pastor Alemão).

Em geral os cães de linha de trabalho não são tão bonitos, mas a beleza deles está exatamente na aptidão ao trabalho, por isso que quando queremos mostrar o melhor dos nossos cães de trabalho, mostramos vídeos. Determinação, impacto, tenacidade... tudo isso exige movimento, ação, ou nossos olhos podem ser enganados. É por isso que cães de trabalho geralmente não têm tantas fotos "em pose", mas sim fotos variadas 'em ação', e que o desejo maior dos apreciadores desses cães é por vídeos do que por fotos.

Fotos servem principalmente para ver estrutura, e por isso os cães de exposição são muito mais mostrados sempre com fotos e poses dignas de capa de revista. O melhor deles é sua beleza, e por isso o "desejo" maior dos seus apreciadores é por fotos em "stay".


Transcrevo abaixo, com alguns ajustes, textos que escrevi já faz mais de dois anos (em 14/Jan/2014), durante uma discussão em rede social. Falo basicamente o que eu penso mas creio que explica um pouco melhor sobre o que é criar com foco em temperamento:

Eu me preocupo com cães dentro do padrão, inclusive em relação ao temperamento. O que poucos sabem é como se avaliam esses adjetivos usados pra descrever o temperamento no padrão, tanto que escrevi um texto especificamente pra falar disso (http://doberman.com.br/site/t_temper.html).
Achar que temperamento se resume a drive (ou que quem treina acha que se resume a drive) é coisa de quem não sabe avaliar temperamento e nem para que servem as provas de trabalho, muito menos o que está embutido na execução de cada exercício. Não é só o morder, é como morde e por que aquele exemplar morde daquela forma. Não é só o correr, é como corre, em qual velocidade, e principalmente o que isso significa. O significado da forma de executar cada etapa é que fala sobre o temperamento, não o fato de executar ou não.
A descrição do temperamento se resume a um parágrafo do padrão, mas simboliza 50% de um cão de verdade. E falta saber enxergar o que as palavras contidas ali significam, pra então entender a importância delas.

Outra questão interessante é que há diversos cães com características que fogem do padrão, vencendo exposições, e consequentemente essas características passam a ser encaradas como o "correto" para quem participa. Vejo olhos incorretos, e peitos, e pescoços.... mas temos que lembrar que um arbitro julga o conjunto e o compara com os demais ali presentes e não só com o padrão, para poder premiar, e ainda assim, um toque de gosto pessoal sempre está envolvido, portanto também não dá pra crucificar os envolvidos. Mas, com isso, caímos na armadilha de não saber mais apreciar o correto de verdade, ou o quase correto que seja.

Eu já fui da opinião "se eu posso ter um cão bonito e de excelente temperamento, pra que vou querer um feio?", quando conheci a aparência em geral dos cães de linha de sangue de trabalho (portanto não conheci o melhor deles), enquanto só tinha contato com cães de linhagens show (que eu considerava terem "excelente temperamento" dentro do meu limitado conhecimento e referências).
Depois de entender a (enorme) diferença de temperamento entre eles, eu passei a ver menos beleza em cães "apenas belos". Percebi como minha percepção e opinião haviam mudado em um momento específico, quando assisti um vídeo. Explico: havia um cão que eu achava maravilhoso, muito mesmo, era fã dele, o achava o máximo, até que encontrei um video dele em ação (em prova de IPO, na qual ele foi aprovado, pois obteve pontuação suficiente para tal). Simplesmente perdeu o encanto mesmo com toda aquela beleza... ele executava de forma tão "meia-boca", que foi uma decepção enorme pra mim. Mas foi também um aprendizado e "divisor de águas", ali eu descobri que um temperamento mediano-fraco torna o cão "mais feio" pra mim, sendo ele belíssimo de estrutura ou não.

As raças foram criadas e desenvolvidas conforme suas funções, portanto se um cão cumpre excelentemente bem sua função, ele tem estrutura apropriada. Ponto final!
É mais fácil do que vocês imaginam ver cães que alguns chamam de "estruturalmente corretos" com problemas pra trabalhar (se considerar falta de aptidão mental / de temperamento, pior ainda). Isso porque o padrão que vence exposição, ou que tem mais chances de, não é mais aquele descrito no padrão... 

Eu só falei tudo isso para que saibam que o fato de eu gostar de cães de trabalho (e de linhagem de trabalho) não ocorre porque sou cega ou trouxa (sei que ninguém falou isso, mas vai que pensou? hehehe). Eu gosto e já ha algum tempo os prefiro por motivos muito bem fundamentados, e sei muito bem o quão "feios" eles são frente aos demais. Mas eles são maravilhosos na sua essência, e só quem treina e convive com um cão de bom temperamento e grande aptidão para o trabalho entende isso.

E termino por aqui. Se você teve paciência de ler tudo, me conte o que achou :)
Um grande abraço e boa semana!

5 comentários:

  1. Excelente. O ponto de vista de quem já teve cães de linha de estrutura [americanos e europeus] e partiu para a linhagem de trabalho é realmente muito importante para esclarecer esse assunto.

    ResponderExcluir
  2. É isso mesmo, depois de um tempo você aprende que a beleza exterior é efêmera, principalmente na velhice, mas as virtudes nascem e morrem junto com o indivíduo, sem nunca esmorecerem.

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pelo texto ! Esclarecedor e vai contribuir muito para as pessoas entenderem que se querem as qualidades de uma raça específica, não podem olhar apenas beleza estética.
    Tenho aprendido muito com você, obrigado !

    ResponderExcluir
  4. Adorei o texto!!!Não é só conhecer quais são as raças, conhecer os cães vai muito além... Vou ler muitas vezes!

    ResponderExcluir
  5. Muito bom o texto,ri muito aqui sozinho,quando você disse,..."mas vai que alguém pensou "...Não consigo conceber que alguém possa pensar isso a seu respeito ,já que tem demonstrado muito conhecimento e o tempo tem comprovado isso.
    Tenho aprendido muito contigo,continue com essa iniciativa de nos fazer mais conhecedores de cães.

    ResponderExcluir